domingo, 11 de maio de 2014

AT Dessana da Colômbia - Edição 2013


Seleções do
Antigo Testamento em Língua Dessana
da Colômbia


 Edição 2013


Goamu Iribojegue Majarãre Igu Dorerire Wererituri Ãhraa


Clique na imagem para acessar Seleções do Antigo Testamento



O Povo Dessano
Autodenominação: Imiko-masã
Onde estão e Quantos são?
Amazonas: 2.204 (Dsei/Foirn, 2005)
Colômbia: 2.036 (1998)
Família linguística: Tukano
Nomes alternativos:

Boleka, Desana, Desána, Desâna, Dessana, Dessano, Kusibi, Oregu, Uina, Wina, Wirã.

Localização:
O Rio Uaupés tem cerca de 1.375 Km de extensão. De sua foz do Rio Negro até a desembocadura do Rio Papuri, o Uaupés está situado em território brasileiro e percorre cerca de 342 Km. Entre este ponto e a foz do Querari, serve de fronteira entre o Brasil e a Colômbia por mais de 188 Km. A partir daí até as suas cabeceiras se situa em território colombiano e percorre 845 Km. Navegando no Uaupés, H. Rice (1910) contou 30 cachoeiras maiores e 60 menores.

Depois do Rio Branco, o Rio Uaupés é o maior tributário do Rio Negro. Atualmente, o nome Uaupés é o mais usado (no Brasil, já que na Colômbia fala-se mais Vaupés), mas também é conhecido como Caiari. Em seu curso, o Uaupés recebe as águas de outros grandes rios, como o Tiquié, o Papuri, o Querari e o Cuduiari.

Os principais núcleos de povoamento do Rio Uaupés são a cidade de Mitu, capital do departamento colombiano do Vaupés, e Iaraueté, que é sede de um distrito do município de São Gabriel. Iaraueté, além de ser um centro de ocupação tradicional dos Tariana, abriga também uma grande missão dos salesianos e um pelotão de fronteira do exército. Existem ainda outras duas missões salesianas na bacia do Uaupés, uma em Taracuá (na confluência desse rio com o Tiquié) e outra no Alto Tiquié, chamada Pari-Cachoeira. Também há um destacamento do Exército na confluência do Querari com o Uaupés e outro em Pari-Cachoeira.

Os Desana, cuja autodenominação é Imiko-masã “Gente do Universo”, são um dos 15 grupos indígenas da família linguística Tukano oriental que moram, com outros povos das famílias linguísticas Arawak e Maku, na região do rio Negro, noroeste amazônico. Somando aproximando 1.500 pessoas no Brasil, os Desana dividem-se em umas 60 comunidades e sítios espalhados nas margens do rio Tiquié e seus afluentes, como, por exemplo, os igarapés Umari, Cucura e Castanha. Há também algumas comunidades desana em afluentes do rio Papuri, como, por exemplo, nos igarapés Turi, Ingá e Urucu da margem brasileira, e do rio Uaupés, como o igarapé Japurá.
Os Desana estão ligados aos outros povos da região por um estreito sistema de relações matrimoniais e/ou de trocas econômicas e cerimoniais. Torami-kehíri, cujo nome português é Luiz Gomes Lana, autor desse depoimento, pertence ao clã Kehíripõra, os “Filhos do Sonho”, que mora na comunidade de São João Batista no rio Tiquié. Nascido em 1947, Luiz é o filho primogênito de Firmiano Arantes Lana e de Emília Gomes (mulher tukano), e é casado com Catarina Castro (mulher tukano) com quem tem cinco filhos. Torami-kehíri e seu pai já falecido Umusi Pãrõkumu (Firmiano Arantes Lana) são autores da coletânea de narrativas míticas “Antes o Mundo não existia. Mitologia dos antigos Desana-Kehíripõra” (Unirt/Foirn, 1995, 2a. edição; 1a. edição pela Livraria Cultura Editora, 1980). Após vários anos como capitão de São João Batista, ele fundou em 1990 a Unirt (União das Nações Indígenas do Rio Tiquié), uma organização indígena filiada à Foirn (Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro), da qual foi o presidente até 1994. Os principais objetivos da organização eram a demarcação do território indígena e a revitalização da cultura da região.
Em 1992, ele construiu num terreno elevado, próximo de São João, uma maloca no estilo tradicional, que deveria servir de espaço de exposição e para a formação cultural dos jovens. De acordo com a tradição oral dos Desana, comum a outros povos Tukano orientais, os ancestrais da humanidade subiram o curso dos rios Amazonas, Negro, Uaupés e seus afluentes, partindo do Oceano Atlântico numa canoa - a "Canoa-de-Transformação". Durante a viagem, iam parando em numerosas “casas de transformação”, nas quais faziam festas. A viagem subaquática na Canoa-de-Transformação é assimilada à humanização e maturação progressiva dos ancestrais da humanidade. Eles saíram por terra, entre as cachoeiras de Ipanoré, no médio rio Uaupés. Foi nesse lugar que a diferenciação entre brancos e índios aconteceu. O ancestral dos brancos foi então em direção ao sul, enquanto os índios subiram o curso dos rios e afluentes procurando um lugar bom para viver.

 

 

Aldeia Dessana: