quarta-feira, 14 de maio de 2014

NT Tukano


O Novo Testamento na Língua Tukano do Brasil

Edição 2009


“Õ'âkɨ̃hɨ Yeere Uúkũri Turi Tukano”

Role para ler o NT Tukano do Brasil ou clique aqui



Recursos na Língua Tukano do Brasil:
Baixar o NT Tukano do Brasil (PDF)
Baixar o módulo de telefone celular para MySword (Android)
Baixar o NT Tukano do Brasil para uso com o software de estudo bíblico “The Word”
Comprar no Virtual Storehouse: NT Tukano do Brasil
Ir para o visualizador online: NT Tukano do Brasil
Leia e Ouça o NT Tukano do Brasil no Bible.is
Ler o NT Tukano do Brasil (PDF)
Link para Ethnologue Línguas do Mundo: Tukano do Brasil
Link para Povos Indígenas do Brasil: Tukano do Brasil
Link Global Recordings Network: Tukano do Brasil
Link para Canções Tukano do Brasil: O'akihi yee basase
Link para Histórias sobre Jesus, o Filho de Deus A´té õ'akɨhɨ Makɨ kitiniî'
Link para Línguas do Brasil: mapa Tukano do Brasil
Link para Palavras de Vida 1: Tukano do Brasil
Link para Palavras de Vida 2: Tukano do Brasil
Link para Palavras de Vida 3: Tukano do Brasil
Baixar Histórias sobre Jesus para o seu aparelho (1:00:32hs)
Baixar arquivos MP3 de Histórias sobre Jesus em um arquivo ZIP para computador (49.9MB)
Baixar arquivos MP3 de Histórias sobre Jesus em um arquivo ZIP para celular (18.4MB)
Baixar Canções Tukano para o seu aparelho (40:13min.)
Baixar arquivos MP3 de Canções Tukano em um arquivo ZIP para computador (54.1MB)
Baixar arquivos MP3 de Canções Tukano em um arquivo ZIP para celular (19.7MB)
Baixar Palavras de Vida 1 para o seu aparelho (43:35min.)
Baixar arquivos MP3 de Palavras de Vida 1 em um arquivo ZIP para computador (35.1MB)
Baixar arquivos MP3 de Palavras de Vida 1 em um arquivo ZIP para celular (13.1MB)
Baixar Palavras de Vida 2  para o seu aparelho (53:46min.)
Baixar arquivos MP3 de Palavras de Vida 2 em um arquivo ZIP para computador (35.1MB)
Baixar arquivos MP3 de Palavras de Vida 2 em um arquivo ZIP para computador (13.5MB)
Baixar Palavras de Vida 3  para o seu aparelho (35:07min.)
Baixar arquivos MP3 de Palavras de Vida 3 em um arquivo ZIP para computador (27.9MB)
Baixar arquivos MP3 de Palavras de Vida 3 em um arquivo ZIP para computador (9.1MB)


Recursos na Língua Tukano da Colômbia:
Baixar o NT Tukano da Colômbia (PDF)
Baixar o módulo de telefone celular para MySword (Android)
Baixar o NT Tukano da Colômbia para uso com o software de estudo bíblico “The Word”
Comprar no Virtual Storehouse: NT Tukano da Colômbia
Ir para o visualizador online: NT Tukano da Colômbia
Ler e Ouvir o NT Tukano da Colômbia no Bible.is
Ler o NT Tukano da Colômbia (PDF)
Link para Línguas do Sul da Colômbia: mapa Ethnologue


Tukano
Outros nomes: Ye´pâ-masa, Dasea, Daxsea, Takuna, Tukána
Onde estão, Quantos são: AM 6.241 (Dsei/Foirn, 2005); Colômbia 6.330 (1988); Venezuela 11 (INE, 2001)
Família linguística: Tukano

Índio Tukano no Rio Uaupés. 
Foto: Acervo Museu do ìndio, 1928.


Introdução
Os índios que vivem às margens do Rio Uaupés e seus afluentes – Tiquié, Papuri, Querari e outros menores – integram atualmente 17 etnias, muitas das quais vivem também na Colômbia, na mesma bacia fluvial e na bacia do Rio Apapóris (tributário do Japurá), cujo principal afluente é o Rio Pira-Paraná. Esses grupos indígenas falam línguas da família Tukano Oriental (apenas os Tariana têm origem Aruak) e participam de uma ampla rede de trocas, que incluem casamentos, rituais e comércio, compondo um conjunto sociocultural definido, comumente chamado de “sistema social do Uaupés/Pira-Paraná”. Este, por sua vez, faz parte de uma área cultural mais ampla, abarcando populações de língua Aruak e Maku. 


Línguas
A família linguística Tukano Oriental engloba pelo menos 16 línguas, dentre as quais o Tukano propriamente dito é a que possui maior número de falantes. Ela é usada não só pelos Tukano, mas também pelos outros grupos do Uaupés brasileiro e em seus afluentes Tiquié e Papuri.
Desse modo, o Tukano passou a ser empregado como língua franca, permitindo a comunicação entre povos com línguas paternas bem diferenciadas e, em muitos casos, não compreensíveis entre si. Em alguns contextos, o Tukano passou a ser mais usado do que as próprias línguas locais. A língua Tukano também é dominada pelos Maku, já que precisam dela em suas relações com os índios Tukano. Já as línguas classificadas como Tukano ocidentais são faladas por povos que habitam a região fronteiriça entre Colômbia e Equador, como os Siona e os Secoya.
Considerando o significativo número de pessoas da bacia do Uaupés que estão residindo no Rio Negro e nas cidades de São Gabriel e Santa Isabel, estima-se que cerca de 20 mil pessoas falem o Tukano. As outras línguas desta família são faladas por populações menores, predominando em regiões mais limitadas. É o caso dos Kotiria e Kubeo no Alto Uaupés, acima de Iauareté; do Pira-tapuya no Médio Papuri; do Tuyúka e Bará no Alto Tiquié; e do Dessana em comunidades localizadas no Tiquié, Papuri e afluentes.


Índios Tukano. Foto: Renato Aguirre, 1988.


Localização
O Rio Uaupés tem cerca de 1.375 Km de extensão. De sua foz do Rio Negro até a desembocadura do Rio Papuri, o Uaupés está situado em território brasileiro e percorre cerca de 342 Km. Entre este ponto e a foz do Querari, serve de fronteira entre o Brasil e a Colômbia por mais de 188 Km. A partir daí até as suas cabeceiras se situa em território colombiano e percorre 845 Km. Navegando no Uaupés, H. Rice (1910) contou 30 cachoeiras maiores e 60 menores.
Depois do Rio Branco, o Rio Uaupés é o maior tributário do Rio Negro. Atualmente, o nome Uaupés é o mais usado (no Brasil, já que na Colômbia fala-se mais Uaupés), mas também é conhecido como Caiari. Em seu curso, o Uaupés recebe as águas de outros grandes rios, como o Tiquié, o Papuri, o Querari e o Cuduiari.
Os principais núcleos de povoamento do Rio Uaupés são a cidade de Mitu, capital do departamento colombiano do Uaupés, e Iauareté, que é sede de um distrito do município de São Gabriel. Iauareté, além de ser um centro de ocupação tradicional dos Tariana, abriga também uma grande missão dos salesianos e um pelotão de fronteira do exército. Existem ainda outras duas missões salesianas na bacia do Uaupés, uma em Taracuá (na confluência desse rio com o Tiquié) e outra no Alto Tiquié, chamada Pari-Cachoeira. Também há um destacamento do Exército na confluência do Querari com o Uaupés e outro em Pari-Cachoeira.

Localização dos Tukano


Missionários, colonos e a modernidade
A história de contato dos povos do Uaupés com os não indígenas é muita antiga, bem anterior ao grande auge da borracha na virada do século XX, remetendo às incursões maciças dos portugueses em busca de escravos na primeira metade do século XVIII. Embora o impacto desses raptores e o contato traumático e duradouro com os seringalistas, esses comerciantes estavam mais interessados nos corpos dos índios do que nas suas almas; em termos religiosos, e talvez em termos sociais também, foram os missionários que provocaram as maiores transformações.
A penetração efetiva dos missionários começou ao final do século XIX, com a chegada dos Franciscanos. Estes, e os Salesianos que os seguiram, viram a cultura dos povos do Uaupés através das lentes de suas próprias categorias religiosas: as malocas dos índios eram consideradas "antros licenciosos e promíscuos", as suas festas de dança ocasiões de "indecência e embriaguez", os pajés eram "charlatões" que aliciavam o povo, e o culto de Jurupari nada mais era do que o "culto ao Diabo" em pessoa. Sem conhecer e sem a mínima intenção de saber o que essas coisas realmente significavam, os missionários começaram a destruir uma civilização em nome de outra, queimando as malocas dos índios, destruindo os seus ornamentos de penas, quebrando seus recipientes de caxiri, perseguindo os pajés e expondo os Jurupari às mulheres e crianças reunidas na igreja.


Índios Tukano. Foto: Curt Nimuendaju, década de 1930.


Enquanto os padres atacavam os fundamentos da cultura indígena, transformaram as suas sociedades, encurralando as pessoas em vilas com casas rigidamente ordenadas, uma para cada família, e removendo à força seus filhos para serem educados nas escolas ou internatos. Sob o regime estrito dos internatos, as crianças foram ensinadas a rejeitar os valores e os modos de vida dos seus pais, incentivadas a casar-se dentro de seus próprios grupos, e proibidas de falar as línguas que lhes conferiam identidades múltiplas e interligadas. Para os missionários, somente uma identidade importava, a identidade indígena genérica, que impedia o progresso da "civilização".
Como reação inicial contra a exploração pelos comerciantes, as pressões dos missionários e as epidemias que dizimaram a população indígena, irrompeu uma série de movimentos milenaristas na região do Uaupés durante a segunda metade do século XIX. Vestindo-se de padres e identificando-se com Cristo e os santos, os pajés-profetas conduziram o povo na "Dança da Cruz", uma fusão dos rituais de caxiri e dabukuri tradicionais com elementos do catolicismo, que prometiam a libertação da opressão dos brancos e o alívio dos "pecados" que acreditavam ser a causa das epidemias.


Índios Tukano. Foto: Márcio Meira, 1990.


Se os missionários foram rechaçados por seus ataques contra a cultura indígena, também foram bem recebidos como fonte de bens manufaturados, como defensores dos índios contra os piores abusos dos seringalistas e como provedores da educação que as crianças indígenas precisariam para se sair bem nas novas circunstâncias. Dos anos 1920 em diante, os Salesianos estabeleceram uma cadeia de missões pela região no lado brasileiro da fronteira, alcançando o alto Tiquié no começo dos anos 40 e destruindo a última maloca nos anos 60. Hoje, a despeito do número crescente de evangélicos, a maioria dos índios do Uaupés se considera católico. Enquanto aumenta cada vez mais o número de pessoas que estão deixando suas aldeias para ir a São Gabriel em busca de educação e emprego, a vida nas malocas e a rica diversidade ritual que a acompanhava persiste agora somente na memória dos mais velhos.


Dabukuri entre os tukano. Foto: Renato Aguirre, 1988.


Nos povoados, um centro comunitário substituiu a maloca como foco de atividades coletivas. O centro serve ao mesmo tempo para as orações matutinas conduzidas por um Capitão e catequista, e para as refeições comunitárias, caxiris e dabukuris que marcam eventos importantes nas vidas dos aldeões: expedições de pesca, trabalho coletivo em projetos comunitários, os dias de santo do calendário católico, formaturas escolares, eventos esportivos, reuniões políticas etc. Transformações das antigas festas, esses caxiris e dabukuris de hoje em dia ainda incluem danças e bebidas - mas as danças não são mais acompanhadas pela música nativa e as flautas de pã, mas sim pelo forró e, ao invés da relativa moderação do passado, a cachaça é livremente consumida e seu frequentemente consumo leva a discussões e brigas. Com níveis crescentes de alcoolismo, a embriaguez que os missionários imaginavam ver nas festas tradicionais hoje tem se tornado uma realidade cruel da civilização que os missionários trouxeram consigo.


Dabukuri entre os tukano. Foto: Renato Aguirre, 1988.


No lado colombiano, sob o regime dos Monfortianos, o policiamento e a inserção dos missionários foram muito parecidos às dos Salesianos, mas, no final dos anos 50, os Monfortianos foram substituídos pelos mais liberais Javerianos. Estes eram identificados com a nova Teologia da Libertação, que pregava a tolerância com a cultura indígena e acomodação com seus valores e crenças; isto, junto com o isolamento da região, explica porque os habitantes do Pira-Paraná ainda conseguem conservar boa parte da sua religião tradicional e do seu modo de vida. No lado brasileiro, a mudança foi mais lenta, mas, depois que a os Salesianos foram denunciados no Tribunal Russell em 1980 pelo crime de etnocídio, eles finalmente começaram a adotar uma linha mais liberal e progressista.



Participe deste Projeto!
Ajude a Construir o Futuro que nós Queremos!