quinta-feira, 19 de abril de 2018

Panará: Retorno do povo à terra original



Panará
Retorno do povo à terra original

 Área das casas na aldeia Nãsepotiti está sempre tomada de crianças de todas as idades. Maria Fernanda Ribeiro. Believe.Earth

Sentar no fim da tarde em um banco numa aldeia dos índios Panará é ver um grupo animado de meninos de 7 ou 8 anos anos afiando uma lança ou pegando pedrinha para o estilingue. É se divertir com as meninas que param o futebol com bola de tênis e vêm conversar e rir com as jornalistas mesmo sem saber português. É se impressionar com os menores, de 5 ou 6 anos, que pulam corda até com bebês no colo e não perdem nem o fôlego nem a destreza. As crianças de Nãsepotiti parecem nunca ficar entediadas.


Difícil imaginar como seria o cotidiano e, especialmente, o humor e o ânimo delas se vivessem fora da Terra Indígena Panará, que fica em um trecho da Amazônia entre o Mato Grosso e o Pará. Para os avós dessas crianças, a resposta vem de imediato: elas não seriam tão alegres, fortes e saudáveis.
A afirmação vem da história de vida desses anciãos, especialmente dos cerca de 20 anos que viveram no Parque Indígena do Xingu (MT). “Lá não era como aqui. A terra era fraca, tinha pouca fruta. Não nascia bebê como aqui”, conta a parteira Kreenpy (lê-se Kreempã), que não sabe sua idade, assim como boa parte dos Panará idosos. “No Xingu, nossas crianças eram magras”, diz outro ancião, Seiakã, enquanto trança um cesto. “Era triste. Aqui, é bem alegre.”
Após quase serem dizimados (passando de 400 para 70 integrantes) por doenças e males como gripe e diarreia (leia mais aqui), eles foram levados ao Xingu, parque indígena idealizado pelos irmãos Villas Bôas. À primeira vista, os Panará estavam bem e saudáveis no Xingu. Mas um olhar mais apurado mostrou que saúde vai além da ausência de doenças, afirma o médico sanitarista Douglas Rodrigues, coordenador do Projeto Xingu e que acompanha as condições de saúde dos Panará e de outras etnias há mais de quatro décadas.
“Desde que chegaram ao Xingu, eu conversava com eles e ouvia a mesma coisa: 'Aqui é ruim, aqui não tem castanha...' Eu não entendia muito bem e temia que voltassem a pegar malária e tuberculose”, conta o médico, na sede do projeto, na zona sul de São Paulo, em uma sala com arte indígena e memórias registradas em aldeias Brasil afora. “No minuto em que eu pisei em Nãsepotiti, compreendi tudo. Para eles, não tem saúde sem território. Não é só curar doença — é viver bem. Envolve a família, as relações, os rituais, a terra.” Para provar que estavam certos em voltar, os Panará não paravam de levar comida a Douglas. “Um chegava e falava: 'Já tinha comido batata-doce no Xingu? Lá não tinha!'. Logo vinha outro me dando açaí.”

O Viver Bem dos Panará
Na terra original, os Panará habitavam uma área vasta. No Xingu, eles não podiam sair do limite do parque nem conseguiam colher os frutos e as castanhas com os quais estavam habituados. Também não dava para caçar e pescar como haviam aprendido. “Os Panará não sabiam pescar com anzóis e linha e desconheciam a construção e o manejo de canoas”, explica Douglas em sua tese de doutorado “Saúde e doença entre os Panará, Povo Indígena Amazônico de contato recente, 1975-2007”.
Longe da mata em que seus ancestrais cresceram, eles também perderam os remédios da floresta. E passaram anos sem pajés, já que os anciãos haviam sido mortos ou eram desvalorizados na tribo, por alguns os culparem pelos “feitiços” que quase os dizimou. “Ficar sem pajé é ruim porque isso os deixa à mercê da medicina dos brancos, que muitas vezes não é o ideal para eles”, diz Douglas. “No Xingu, os Panará tinham de recorrer a pajés de uma etnia diferente — outro cenário longe de ser adequado.”

Sabedoria Ancestral
O retorno à terra resgatou a autonomia do povo e os levou de volta às suas tradições. Os anciãos fazem coro para reafirmar que é da terra boa para plantar, dos rios ricos em peixes e da mata abundante para a caça que vem a saúde dos Panará. E a fertilidade. A comunidade que retornou com 178 indígenas tem, duas décadas depois, mais de 600 pessoas. O número impressiona, já que o índice de mortalidade infantil indígena, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é mais que o dobro do que entre os não-indígenas. De acordo com o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a mortalidade infantil indígena cresceu mais de 20% no país de 2015 para 2016.
Nãsepotiti tem um posto de saúde com remédios e médico e enfermeira ou técnico de enfermagem, que podem chamar resgate aéreo em casos graves. Mas a fórmula de saúde e bem-estar dos Panará engloba outros fatores. Enquanto amamenta a filha de poucos meses e chama atenção do filho que faz graça para a câmera, a jovem Tutiti revela um dos segredos do crescimento de seu povo: a alimentação das grávidas. “Nas duas vezes em que fiquei grávida, comia muito peixe pequeno, que são os que o cheiro é mais fraco e por isso não dão enjoo”, afirma. Para a parteira Kreenpy, as grávidas têm de comer muito mel e frutas nativas. “Lá no Xingu tinha pouca. Mas aqui, como a terra é boa, a roça dá muita coisa.”
O médico Douglas Rodrigues diz ser importante respeitar e preservar os conhecimentos indígenas. “Quando eu vou até eles, ouço muito sobre se a caça rendeu, como foi a pesca, as condições do roçado”, diz. “Tenho atenção para não atropelar os cuidados tradicionais. Depressão, por exemplo, costuma ser muito bem equacionada pela medicina indígena, ao passo que a nossa usa psicotrópicos e nem sempre funciona adequadamente.”
Para ele, é fundamental que os profissionais que trabalham com os Panará — ou outros povos — mantenham uma intervenção mínima. “Um passo além e você cria dependência, e isso tira a autonomia”, afirma. E, para os Panará, autonomia vale mais que remédio.

Todos os direitos desta reportagem são de uso exclusivo do Believe.Earth, onde a matéria foi publicada originalmente, e El País. Matéria parcialmente financiada por meio de uma bolsa de reportagem concedida pelo International Center for Journalists (ICFJ). Este conteúdo tem apoio do Instituto Socioambiental(ISA) e Greenpeace.


Nenhum comentário: