quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Artigo: Terceiro Templo (Breaking Israel News)

Terceiro Templo
Casa de Oração para todas as nações

Palestinos recorrem à organização sinédrica de 70 nações e aceitam papel no Terceiro Templo

“Louvem Hashem, todas as nações; exaltem-no, todos os povos! Porque imenso é o seu amor leal por nós, e a fidelidade de Hashem dura para sempre. Aleluia!”
(Salmo 117.1-2)

Muro das Lamentações, Israel.

Em setembro, o Sinédrio sediou a primeira conferência para a Organização das 70 Nações. A organização reunirá todas as nações sob a crença comum na santidade da Bíblia e na santidade de toda a humanidade. O Sinédrio enviou convites para muitas nações em várias línguas. Isso incluía convites em árabe e persa para nações que declaravam abertamente agressão a Israel desde que o Sinédrio estava agindo como o emissário da Bíblia e não em nenhum interesse político ou como representante do Estado de Israel.
O Sinédrio recebeu respostas de várias nações desde a conferência das fontes mais inesperadas; uma figura política pashtun do Afeganistão, Nigéria, Camarões e outros. Uma dessas respostas veio de um respeitado acadêmico palestino que vive na Judéia. O estudioso deve permanecer anônimo, uma vez que existem elementos na Autoridade Palestina e na sociedade palestina que usam métodos violentos contra palestinos que defendem a "normalização" das relações entre judeus e árabes (isto é, coexistência entre muçulmanos e judeus).
“Ele entrou em contato com o Sinédrio e quer trabalhar conosco. Ele tem um grupo de estudantes que ele está educando para seguir esse caminho”, disse o rabino Hillel Weiss, porta-voz do Sinédrio, à Breaking Israel News. “Ele reconhece as bases bíblicas de Israel e as aceita. Ele aceita que a única regra legítima na terra de Israel é dos judeus e que a verdade histórica que os Templos Judeus estavam no Monte do Templo. Ele quer que o povo palestino faça parte da Organização das 70 nações e está ciente de que isso inclui um Sinédrio com mandato bíblico, corte de nações e um Terceiro Templo como Casa de Oração para todas as nações.”
“Este homem vê que o ambiente político atual nesta região é uma força externa que gera assassinato e violência, criando uma cultura que não é da verdadeira natureza do povo palestino e está, de fato, destruindo os palestinos. Os palestinos não podem existir como nação se não estabelecerem justiça para lidar com assassinatos e violência. Ele reconhece que a ONU e, especialmente, a UNRWA serviram como ferramentas para trazer essa agenda política externa para a nação palestina, uma agenda que não é para o bem dos palestinos como nação. Ele quer romper a conexão com a ONU e trazer o verdadeiro povo palestino para o seu lugar entre as 70 nações. Ele entende que isso requer o estabelecimento de tribunais de justiça de acordo com as leis de Noé.”
"A conferência parece ter sido uma centelha que despertou a consciência de muitas pessoas", disse o rabino Weiss. “Existem muitos obstáculos, como financiamento. Mas as principais dificuldades são políticas: governos que preferem guerra à paz, política à Bíblia e servir a Deus. Mas estes são representantes de uma força mais profunda do mundo que escolhe a morte sobre a vida, usando as trevas e as mentiras para obscurecer a verdade.”
O rabino Weiss observou que a Organização vem corrigir uma lacuna inerente à fundação da ONU.
"A ONU se relaciona com as relações internacionais", disse ele. “Ele lida com entidades políticas. Esta não é a nossa intenção. Existem muitas nações, minorias, que não têm um corpo político para representá-las. Os nativos americanos, aborígines e curdos devem ter um representante entre as 70 nações. É uma enorme injustiça que eles não estejam representados na ONU para julgar em suas relações com os países em que vivem.”
"O país anfitrião tem responsabilidades em relação às nações que vivem nele", disse o rabino Weiss. “A ONU não se relaciona com isso e as injustiças acontecem como resultado. Desde o início, a ONU lidou mal com a reivindicação palestina como nação. O Tribunal Internacional de Haia falhou porque não pode haver paz baseada em injustiças e mentiras. A Organização das 70 nações terá a tarefa de estabelecer um verdadeiro tribunal de justiça.”
Os membros da organização concordam com a santidade de Jerusalém e do templo, bem como a santidade da aliança de Deus estabelecida com toda a humanidade por meio de Noé. Todas as nações e grupos étnicos que se consideram parte da humanidade e, portanto, aceitam a responsabilidade de se unir a um pacto universal de fraternidade e de paz são convidados a tomar seu lugar nesta Organização das 70 Nações. Presentes representantes de El Salvador, México, Honduras, Bolívia, Trinidad Tobago, Camarões e Costa Rica.
Outro objetivo da conferência e da organização das 70 nações é começar o retorno das Dez Tribos Perdidas de Israel.
O conceito de 70 nações é da Bíblia e simboliza a base da organização, embora não pretenda implicar um limite ou requisito de participação. ”
O conceito de 70 nações também aparece em referência aos 70 bois oferecidos no Templo por Sucot (a festa dos tabernáculos) que o Talmud (Sukkah 55b) ensina que são para o mérito das 70 nações.
Embora afirme que a ONU ainda pode se arrepender e mudar de atitude, o Sinédrio determinou que as ações da ONU violam os princípios de Noahide, que são a base sobre a qual a humanidade existe. Um exemplo disso é a agenda da ONU para promover o aborto e a eutanásia como "direitos humanos".
A Organização das 70 Nações deverá permitir a cooperação em direção a programas econômicos e sociais que beneficiarão toda a humanidade. Incluído nisso, haverá um tribunal internacional baseado em princípios bíblicos. O tribunal receberá o mandato de proteger o globo contra ameaças ecológicas, mobilizando recursos para parar a fome e promover a agricultura e avançando a medicina para o bem de toda a humanidade.
A organização enfatiza que cada nação manterá sua identidade nacional única e distinta, patrimônio cultural, idioma e fronteiras reconhecidas.
Os Princípios da Organização das 70 Nações estão listados abaixo:
O surgimento da luz da lei e da bondade e sua manifestação em Sião em Jerusalém, a cidade de Davi, é a base da visão messiânica que indica o conceito do fim dos dias.
Realizar justiça e graça, em virtude da lei de D'us, do lugar da iluminação de Sião, a cidade da justiça, a cidade fiel, é um pré-requisito para a paz entre os povos, nações e estados, assim como a paz entre eles constitui paz entre todas as nações do mundo.
Lei, verdade, justiça e misericórdia e sua implementação trazem paz ao mundo inteiro.
A justiça não tenta substituir o conceito do Messias. Pelo contrário, visa inspirar-se nas passagens proféticas pelas quais procura operar.
A fonte de todos os povos do mundo veio daqueles que deixaram a Arca: os descendentes dos filhos de Noé que foram dispersos por todos os cantos do mundo depois que se rebelaram contra D'us e divididos em setenta facções, nações e grupos linguísticos. Suas fronteiras mudaram. Suas ações resultaram de ciúmes e competição, como exemplificado pela história de Caim, filho de Adão e Eva, que matou seu irmão Hevel por ciúme. Indivíduos e grupos operam com as mesmas motivações. Portanto, há uma clara necessidade de uma instituição legal internacional que lide com a justiça e a pratique de acordo com as leis de D'us, das quais as mais importantes são as leis bíblicas.
O julgamento deve ser realizado de acordo com “leis”, leis fixas e não resultar de indução ou inspiração. O dever legal é a pedra angular do Pacto de Noachite, de acordo com conceitos de justiça e costumes aceitos em termos legais.
Um papel importante do tribunal é evitar injustiça, violência, roubo e atropelamento de direitos, entre outros. O tribunal existe para julgar e advertir povos, estados e nacionalidades, a fim de impedir a hostilidade, devolver a propriedade roubada daqueles que a exploram, impedir a destruição e vandalização de terras e campos e, de fato, de toda a criação. Seu objetivo primordial é trazer paz ao mundo e impedir guerras e derramamento de sangue.
Onde quer que tratados da ONU e seus tribunais, incluindo tribunais internacionais reconhecidos, não contradigam os princípios básicos da Bíblia e de suas leis universais, eles permanecerão válidos e aceitos, assim como suas decisões, ações, teorias legais e tradições legais, incluindo princípios de lei e justiça naturais, leis normativas e aceitas de evidência.
O tribunal decidirá disputas e preferirá a arbitragem a julgamentos.
O tribunal não intervirá nas decisões dos tribunais internacionais acima que não apresentem erros básicos comprováveis, a menos que contradigam as leis da Bíblia como interpretadas e aplicadas às condições atuais da vida.
Onde quer que as decisões dos tribunais internacionais mencionados acima se oponham às leis da Bíblia e trabalhem contra elas, e onde quer que contradigam ou até se esforcem contra as posições básicas da Bíblia, elas não terão validade e são essencialmente nulas e sem efeito.
Este tribunal decidirá seus casos de acordo com a inspiração da Bíblia e de suas leis. Suas considerações incluirão opiniões dos juízes, regras da justiça natural, regras costumeiras e normativas de deliberação. Os juízes procurarão aprender com as tradições de todas as nações e suas experiências e levar em conta considerações de justiça e bondade.
Toda sociedade étnica conhecida que tenha seu próprio idioma, tradições e costumes terá o direito de comparecer em juízo perante este tribunal, incluindo estados soberanos ou grupos de estados.
No ano passado, um Concerto Mundial de Criação foi realizado ao lado do Monte do Templo. Durante uma cerimônia realizada no concerto, representantes de Honduras, Guatemala e México assinaram um acordo com o Sinédrio para acompanhar o povo de Deus, como povos, nações e indivíduos, para estabelecer o Templo em Jerusalém como uma casa de oração para todas as nações como profetizado na Bíblia.
Adam Eliyahu Berkowitz, 30 de outubro de 2019 às 12:05

Texto originalmente publicado pelo Breaking Israel News sob o título "Palestinians turn to 70-nation council and accept role in Third Temple"



quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Artigo: Sínodo da Amazônia (Folha de São Paulo)

Erros da Igreja Católica
e o avanço evangélico na Amazônia


Cidade do Vaticano
O bispo dom Wilmar Santin, que atua na região de Itaituba (PA), na fronteira com os estados de Mato Grosso e do Amazonas, afirmou durante o Sínodo da Amazônia, no Vaticano, que erros da própria Igreja Católica levaram ao crescimento das igrejas evangélicas na região amazônica e que é preciso mudar a ação pastoral para reverter a situação.


O bispo dom Wilmar Santin celebra missa em Itaituba, no Pará - Nelson Almeida – 8/set/19/AFP

"Percebo duas falhas nossas: não estamos conseguindo chegar a tempo em todos os lugares onde o povo está, porque tudo está muito centralizado na figura do padre", disse ele nesta quinta-feira (10), durante uma das entrevistas coletivas diárias do sínodo, reunião de religiosos dos nove países da região amazônica com o papa Francisco.
Segundo dom Wilmar, as estratégias para manter, recuperar e atrair católicos na região envolvem mexer na própria forma como a igreja está organizada.
"Precisamos mudar um pouco a estrutura para que a igreja seja mais ágil, que vá mais para frente, não seja tão lenta nas decisões e não dependa só dos padres. Temos que mudar não para competir com os outros, mas para que a nossa missão seja cumprida com maior eficiência", disse.
A frase foi dita depois de dom Wilmar narrar uma conversa que teria ocorrido nas redondezas do garimpo Água Branca, no Pará, com um homem que tinha sido católico, com padres e uma freira na família, mas que, ao se mudar para o garimpo, tornou-se evangélico.
"Eu perguntei para ele o motivo, ele me respondeu: 'Quando eu cheguei aqui, não tinha Igreja Católica. Eu queria escutar a palavra de Deus, fui na Assembleia de Deus e estou lá até hoje'", relatou dom Wilmar. "Não estamos pregando como deveríamos, em todos os lugares. Tanto é que um católico teve que matar a sua fome de escutar a palavra de Deus numa igreja vizinha."

Missa de abertura do Sínodo da Amazônia

Iniciado nesta semana, o Sínodo da Amazônia foi convocado pelo papa Francisco há dois anos para debater a ação da Igreja Católica nos países do bioma, além da situação ambiental e dos moradores da região.
São 258 participantes, sendo 57 bispos brasileiros. A função da assembleia é produzir, até o dia 27 de outubro, um documento que servirá para o papa, meses depois, dar indicações ao clero e aos fiéis.
Reportagem da Folha mostrou nesta semana que, na região Norte do Brasil, o percentual daqueles que se declaram evangélicos já é de 46%, ante 45% de católicos, segundo pesquisa Datafolha de agosto. No país, os números são, respectivamente, de 32% e 51%, com maioria católica. 
Uma das razões para esse cenário é a carência de padres nas áreas de floresta, marcada pelas dificuldades de acesso e grandes distâncias.
É por isso que um dos assuntos mais discutidos durante o sínodo são as alternativas da igreja para se fazer mais presente. Entre elas, permitir padres casados, criar um ministério oficial para as mulheres e incorporar costumes indígenas aos ritos católicos.
Em Itaituba, dom Wilmar atua com a tribo munduruku em uma área de 175 mil quilômetros quadrados, segundo ele. Nos últimos anos, passou a intensificar a ação pastoral católica entre os índios, formando, entre eles, ministros da palavra, responsáveis por fazer pregações nas próprias comunidades.
"Iniciamos em 2017 e temos 48 ministros da palavra pregando na própria língua", afirmou. Segundo ele, são 39 homens e 9 mulheres, todos da tribo. 
O bispo também respondeu a uma jornalista italiana que perguntou sobre a existência do infanticídio nas tribos indígenas —foi a segunda vez que o tema foi mencionado por um jornalista europeu nesta semana, durante as entrevistas coletivas diárias organizadas pelo Vaticano.
Dom Wilmar afirmou que a prática de matar crianças que nasciam com alguma deficiência ou que tinham "mãe solteira" não existia mais entre os munduruku. E questionou: "E os abortos que se fazem por aqui, na civilização?".

Entenda o Sínodo

O que é sínodo
O Sínodo dos Bispos é uma reunião episcopal de especialistas. Convocado e presidido pelo papa, discute temas gerais da Igreja Católica (como juventude, em 2018), extraordinários (considerados urgentes) e especiais (sobre uma região). Instituído em 1965, acontece neste ano pela 16ª vez.

Especial Amazônia
Anunciado em 2017 pelo papa Francisco, o Sínodo da Amazônia trata de assuntos comuns aos nove países do bioma, organizados em dois eixos: pastoral católica e ambiental. Depois de meses de escuta da população local, bispos e demais participantes se reúnem entre 6 e 27 de outubro, no Vaticano.

Para que serve
O sínodo é um mecanismo de consulta do papa. Os convocados têm a função de debater e de fornecer material para que ele dê diretrizes ao clero, expressas em um documento chamado exortação apostólica. As últimas duas exortações pós-sinodais foram publicadas cerca de cinco meses depois de cada assembleia.

Quem participa
O Sínodo da Amazônia reúne 185 padres sinodais (como são chamados os bispos participantes), sendo 57 brasileiros. Além dos bispos da região, há convidados de outros países e de congregações religiosas. Também participam líderes de outras comunidades cristãs, da população e especialistas —no total, há 35 mulheres. O papa costuma presidir todas as sessões.

Principais polêmicas
Este sínodo tem recebido críticas do governo brasileiro, incomodado com o viés ambiental e pressionado pela situação na Amazônia, e da ala conservadora da igreja, que vê como inapropriado o debate sobre a ordenação de homens casados como sacerdotes, a criação de ministérios oficiais para mulheres e a incorporação de costumes indígenas em rituais católicos.

Folha de São Paulo
Michele Oliveira
10 de outubro de 2019 às 15:58

Texto originalmente publicado pela Folha de São Paulo sob o título "Erros da Igreja Católica levaram a avanço evangélico na Amazônia, diz bispo"